/#Emmy2018: O Emmy da diversidade?

#Emmy2018: O Emmy da diversidade?

Compartilhe

Quantas estrelas merece esse texto?

Na noite da última segunda-feira (17), o Microsoft Theater em Los Angeles recebeu a cerimônia que marcou o aniversário de 70 anos do Emmy Awards, e lá, grandes obras como Game Of Thrones e The Marvelous Mrs. Maisel foram consagradas com o maior prêmio da indústria televisiva. Entre momentos emocionantes e históricos, piadas, alfinetadas e todos os elementos que uma premiação estadunidense costuma apresentar, um tema em especial foi assunto recorrente ao longo de toda cerimônia: a diversidade. Tendo Michael Che e Colin Jost como os anfitriões da festa, o Emmy seguiu a recente tendência das outras grandes premiações da indústria do entretenimento norte-americano de apontar para a grande desigualdade presente no ramo de forma crítica (mas dessa vez, poupando o presidente Donald Trump).

A lista de indicados, com 38 profissionais não-brancos,  foi a mais inclusiva e variada da história do Emmy, onde a própria abertura e diversos comentários ao longo da cerimônia foram recheados de crítica social em relação ao predomínio caucasiano na indústria, mas sem necessariamente se refletir entre os vencedores da noite.

(Imagens: Divulgação/Television Academy)

Leia também: #Emmy2018: Surpresas, injustiças e momentos hisóricos

A questão da diversidade e a luta social pautaram o ritmo da noite

O Emmy Awards mais diversificado da história já começou com o pé na porta ditando qual seria o principal assunto da noite: o combate ao preconceito e a luta por representatividade. Nomes conhecidos como o cantor Ricky Martin, a estrela Titus Andromedon (Unbreakable Kimmy Schmidt), John Legend e os membros do Saturday Night Live Kate McKinnon e Kenan Thompson brincaram sobre como resolver o problema da diversidade Hollywood em um cômico número musical de abertura intitulado “We Solved It” (“Nós resolvemos”, em português), que prestou homenagem à lista diversificada de nomeados este ano como a atriz Sandra Oh, a primeira descendente asiática indicada como Melhor Atriz, e ironizou ao dizer que, agora que uma asiática foi indicada, o problema da representatividade foi resolvido.

Nós damos boas-vindas aos asiáticos, até os demos aquele único programa (…) Vocês viram? Antes não existia nenhuma, agora temos uma, então o problema acabou” , cantaram Kenan Thompson e Kate McKinnon.

A esquete ainda contou com a participação do ator Andy Sandberg (Brooklyn 99), que apareceu no palco montado em uma lua gigante perguntando se ainda havia espaço para um homem branco hétero como ele na canção, e ainda do apresentador RuPaul (RuPaul’s Drag Race), que entregou um telefone para Kenan Thompson onde uma ligação avisava o humorista que, na verdade, o problema da diversidade ainda estava longe de ser resolvido (piada essa que foi brilhantemente interrompida por RuPaul, que questionou o fato de ter sido chamado apenas para uma fala “nessa esquete estúpida”, arrancando gargalhadas da platéia).

Após a ácida e bem-humorada apresentação, os anfitriões oficiais Michael Che e Colin Jost, ambos também humoristas do Saturday Night Live, tomaram as rédeas da cerimônia. Seguindo o tom de humor irônico, os atores teceram uma sequência de piadas e comentários sarcásticos além da questão da diversidade, mas também acerca dos inúmeros casos de assédio sexual na indústria que estão sendo cada vez mais denunciados e divulgados pela imprensa.

Colin Jost and Michael Che

Michael Che: “É uma honra estar nesta noite com as muitas, muitas pessoas talentosas em Hollywood que ainda não foram presas.

Colin Jost: “Este ano, a plateia pode beber aqui no teatro. Espero que vocês estejam animados com isso. Porque a única coisa que Hollywood precisa agora é gente perdendo a vergonha durante um evento de trabalho.

Michael Che: “Minha mãe diz que não gosta de ver prêmios de gente branca porque vocês nunca agradecem Jesus o suficiente. Isso é verdade. Os únicos brancos que agradecem Jesus são republicanos ou ex-viciados em crack.

Colin Jost: “Não sei se vocês sabem, mas o primeiro Emmy aconteceu em 1949. As coisas eram muito diferentes naquela época. O galão de gasolina custava 17 centavos, uma nova casa custava 7.000 dólares e todos concordávamos que os nazistas eram pessoas ruins.

Colin Jost: “A Netflix tem o maior número de indicações. Se você é executivo de emissora, essa é a frase mais assustadora que você pode ouvir. A não ser, talvez: ‘Senhor, Ronan Farrow está na linha um.” (Uma clara referência ao jornalista Ronan Farrow, filho de Mia Farrow com Woody Allen e o responsável por algumas das primeiras reportagens sobre os casos de assédio em Hollywood).

Michael Che: “Falando em coisa triste, The Handmaid’s Tale foi indicado a melhor drama. Não sei quem viu, mas The Handmaid’s Tale se passa em um futuro imaginado em que todo um grupo de pessoas é violentamente forçado a parar de trabalhar e fazer bebês contra a sua vontade. Isso é o que pessoas negras chamam de história.

Diversidade entre os vencedores?

Rachel Brosnahan, Tiffany Haddish, Angela Bassett

Apesar de toda crítica social de início, muitos espectadores comentaram sobre o fato do Emmy levantar a bandeira da diversidade em sua abertura, mas logo em seguida premiar oito pessoas brancas consecutivamente, mesmo com nomes fortíssimos concorrendo as mesmas categorias, como Donald Glover por sua aclamada Atlanta e as atrizes  Issa Rae de Insecure e Tracee Ellis Ross de Black-ish (que poderiam ter sido as segundas atrizes negras a vencerem essa categoria na história, e as primeiras atrizes negras a vencerem Melhor Atriz de Comédia desde Isabel Sanford por The Jeffersons, em 1981).

Os vencedores até o momento tinham sido: Henry Winkler e Bill Hader (Barry), Alex Borstein, Amy Sherman-Palladino e Rachel Brosnahan (Mrs. Maisel), Merritt Wever e Jeff Daniels (Godless) e Ryan Murphy (American Crime Story), e neste momento, já começavam as piadas no palco em relação ao predomínio étnico entre os vencedores (onde até chamaram a edição de #EmmySoWhite, referência a edição do Oscar de 2016 que contou apenas com indicados brancos em todas as categorias). Até que um dos melhores e mais surpreendentes momentos da noite aconteceu quando Regina King (Seven Seconds) foi eleita a Melhor Atriz de Minissérie ou Telefilme e quebrou a sequência, se tornando a primeira indicada negra a sair vitoriosa na noite.

Regina King

A decisão da Academia foi pouco comum, uma vez em que dificilmente os membros premiam uma série que foi cancelada, e  pareceu surpreender a atriz da mesma forma, que entrou em estado de choque e mal sabia o que dizer no discurso de agradecimento. No geral, mesmo a edição de 2018 possuindo 38 indicados não-brancos (e apenas seis vencedores nas grande categorias), o predomínio caucasiano se mantém como um reflexo da clara desigualdade de oportunidades no ramo do entretenimento.

Os Emmys da reparação

Resultado de imagem para reparation emmys

Outro grande momento da premiação foi quando o apresentador Micheal Che falou sobre como o papel do negro na indústria foi reduzido e esquecido ao longo de todos esses anos:  “Vocês sabem, como um comediante negro por tantos anos, nossas lendas e heróis da TV não foram reconhecidos “, explicou Che.” Então, este ano como anfitrião, eu assumi a responsabilidade de finalmente corrigir alguns desses erros. Eu apresento os Emmys da reparação”. Daí, ele mostrou diversos vídeos muito bem-humorados (incluindo até mesmo uma piadinha com Bryan Craston e seus Emmys por Breaking Bad) dele mesmo dando estatuetas do Emmy para artistas negros que, teoricamente, foram injustiçados pela Academia no passado por questões raciais: Marla Gibbs de “The Jeffersons“, Jimmie Walker de”Good Times“, Tichina Arnold de “Martin“, Kadeem Hardison de “A Different World“, Jaleel White de “Family Matters” e John Witherspoon de “The Wayans Bros.

Por fim, deixando as piadas e esquetes de lado, um dos depoimentos que melhor retrata o cenário de desigualdade vivido por estadunidenses não-brancos em relação as oportunidades foi dado pelo ator John Leguizamo, colombiano e indicado a Melhor Ator Coadjuvante em Minisséries por seu papel em Waco. Em uma entrevista para a CNN no tapete vermelho, pouco antes de começar a cerimônia, o ator (que inclusive é um dos pouquíssimos latinos a figurar no Emmy), falou sobre a questão da diversidade.

Tem havido alguma mudança neste cenário, é verdade, mas não tanto quanto eu gostaria de ver. Nós, latinos, somos cerca de 50% da população de Los Angeles e menos de 3% dos nossos rostos estão na frente da câmera.“, disse Leguizamo.

Porém, de acordo com o astro, a solução para esse quadro é “simples”: “O talento está por aí, pessoas talentosas estão por aí, não precisamos apenas de mais talentos. O que precisamos é que existam executivos latinos nas grandes corporações, que estejam tomando as decisões, que irão entender a nossa cultura e o por que disso ser tão importante“, completou o ator.

Como a atriz Viola Davis, a primeira mulher negra a vencer o prêmio de Melhor Atriz Dramática no Emmy 2017, apontou em seu já histórico discurso de agradecimento: “A única coisa que separa a mulher negra do resto é a oportunidade. Não se ganha um prêmio de Melhor Atriz sem primeiro conseguir um papel.


Compartilhe

Estudante de Jornalismo, redator e aficionado por cultura, seja no cinema, na música ou até mesmo no esporte.