Pular para o conteúdo

Sound of Freedom: A Incrível História Real Por Trás do Filme Mais Controverso de 2023

Sound of Freedom:, A Incrível História Real Por Trás do Filme Mais Controverso do ano, enquanto críticos, grupos de interesse e facções políticas protestam contra o drama anti-tráfico infantil.
5/5 - (1 vote)

O que é exatamente o drama de ação “Sound of Freedom“, liderado por Jim Caviezel? Um sólido filme de ação independente, que tem rendido uma surpreendente quantidade de dinheiro desde o lançamento em 4 de julho? Uma emocionante história real sobre um herói americano de verdade? Uma perigosa porta de entrada para desinformação e teorias conspiratórias? Um risco que pagou além das expectativas mais audaciosas?

Para o diretor Alejandro Monteverde, a resposta é simples: Sound of Freedom foi um chamado. Ele conta que começou a escrever o filme em 2017, após ver uma reportagem em um programa de notícias noturno – “60 Minutes, 20/20, Dateline, costumava gravar todos eles” – sobre tráfico de crianças. “Assisti e não consegui dormir”, conta em uma entrevista. “Eu sabia sobre tráfico humano. Só não sabia sobre tráfico de crianças para exploração sexual.”

Leia também: Sound of Freedom, Onde Assistir? Tem na Netflix?

No dia seguinte, sentiu que precisava escrever um filme sobre o assunto. Com o co-roteirista Rod Barr, criou um roteiro completamente fictício chamado “The Model”, sobre um homem abastado e despreocupado que descobre um comércio subterrâneo de crianças exploradas sexualmente e começa a resgatar as crianças para colocá-las em segurança. “Se eu tivesse continuado com uma ficção completa, não teria enfrentado todos esses ataques”, diz o nativo do México de forma um tanto melancólica.

Mas não foi o que aconteceu. Em vez disso, um produtor do filme ainda em estágios iniciais perguntou a Monteverde se ele já tinha ouvido falar de Tim Ballard, um ex-agente especial do Departamento de Segurança Interna que havia começado a se destacar por uma organização sem fins lucrativos que fundou, a “Operation Underground Railroad” (OUR), que supostamente resgatava crianças vítimas de tráfico. “Então eu pesquisei sobre ele”, diz Monteverde.

O sucesso de Sound of Freedom

Os resultados online eram abundantes e incluíam uma reportagem elogiosa da CBS News de 2014 sobre a “Operation Triple Take”, uma ação conjunta entre OUR e o governo colombiano que supostamente resgatou 123 pessoas traficadas, 55 das quais eram crianças. “E eu fiquei tipo, Uau, adoraria conhecer esse cara”, diz Monteverde. “Então eu o conheci e vi que sua história superou minha ficção.”

Com Barr, ele reescreveu o roteiro. Agora, o filme retrataria uma versão fortemente ficcionalizada do resgate na Colômbia alguns anos antes.

De acordo com a jornalista investigativa Lynn Packer, Ballard há muito tempo buscava uma plataforma maior para suas atividades e as da OUR. Em 2013, ele e um grupo de cineastas buscaram financiamento do comentarista político conservador Glenn Beck para uma série de realidade que retrataria o resgate de crianças traficadas. Embora a série nunca tenha sido concretizada, alguns membros da equipe de produção fizeram um documentário sobre Ballard, lançado em 2016 e chamado “The Abolitionists”, que deu ainda mais legitimidade ao trabalho de Ballard. Logo, ele estava palestrando em organizações como o Google.

Mas, segundo Erin Albright, advogada e conselheira de longa data de forças-tarefa de combate ao tráfico, Ballard e a OUR não são realmente peças centrais na luta internacional contra o tráfico de seres humanos. “A maioria do campo [anti-tráfico] os considera marginais”, ela me diz. “Eles vendem sensacionalismo… e arrecadam fundos com isso.”

Em 2018, quando Monteverde estava fazendo seu filme, essas críticas não faziam parte da conversa. “Nunca em um milhão de anos imaginei que isso seria político”, ele disse sobre o filme, que se tornaria uma cinebiografia de Ballard – embora tomasse grandes liberdades com os fatos. Afinal, diz ele, “vi a matéria [sobre tráfico infantil] na mídia mainstream… Sempre pensei que este seria um filme que nos uniria a todos.”

Sound of Freedom demorou para ser lançado

Se o filme tivesse sido lançado pouco depois de ser concluído, talvez isso tivesse acontecido. “Sound of Freedom” foi produzido de forma independente com um orçamento relatado de $14,5 milhões e financiado principalmente por um grupo de apoiadores mexicanos, de acordo com os cineastas. Mas, como muitos outros projetos, o filme perdeu seu distribuidor quando a Disney adquiriu a 21st Century Fox em 2019. “Sound of Freedom” permaneceu na prateleira até ser adquirido pela Angel Studios, sediada em Provo, Utah, em 2023, com planos de lançar o filme nos cinemas de todo o país.

Leia Agora  Viola Davis entra para o elenco de Jogos Vorazes

Várias coisas cruciais aconteceram entre a conclusão do filme e sua chegada aos cinemas. Em uma série iniciada em 2020, os jornalistas da Vice Anna Merlan e Tim Marchman começaram a investigar Ballard e a OUR, descobrindo “um padrão de construção de imagem e mitologia, uma série de exageros que são, em conjunto, bastante enganosos”. Em um relatório subsequente, eles alegaram que Ballard e sua organização se envolveram em “missões desastradas – realizadas em parte por corretores de imóveis e doadores de alto nível – que pareciam destinadas principalmente a gerar imagens empolgantes em vídeo”. (Ballard ainda não respondeu aos pedidos da Vanity Fair por comentários. Embora um representante da Angel Studios tenha proposto inicialmente uma entrevista com Ballard, posteriormente disseram que não conseguiram contatá-lo para agendar um encontro.)

Esses relatórios foram amplamente lidos e compartilhados, mas foram rejeitados tanto quanto foram elogiados. Isso se deve a um segundo desenvolvimento: o conjunto de teorias conspiratórias QAnon, que teve início em 2017 e gradualmente ganhou notoriedade pela mídia nos anos seguintes. A “falsa premissa central”, como o New York Times a descreve,

afirma que “um grupo de elites adoradoras de Satã, que administram um anel de prostituição infantil, está tentando controlar nossa política e mídia”.

Por volta do final de 2020, o QAnon começou a usar alegações sobre tráfico infantil como estratégia de divulgação. Como relatou o New York Times na época, os adeptos começaram a “inundar as redes sociais com postagens sobre tráfico humano, ingressar em grupos de pais no Facebook e aderir a campanhas com hashtags como #SaveTheChildren”, para depois levar “a conversa para teorias infundadas sobre quem eles acreditam que está fazendo o tráfico: um cabal de elites nefastas que inclui Tom Hanks, Oprah Winfrey e o Papa Francisco”.

Monteverde obviamente não poderia ter previsto nada disso quando a pré-produção de “Sound of Freedom” começou e ele se encontrou com o ator Jim Caviezel. Monteverde foi impressionado com a convicção do ator sobre o assunto do tráfico infantil e o escalou para o papel de Ballard. Conhecido principalmente por sua interpretação de Jesus no filme “A Paixão de Cristo” de Mel Gibson em 2004, Caviezel, que há muitos anos era vocal sobre sua fé católica rigorosa, estava recém-saído de “Person of Interest”, um drama policial de ficção científica da CBS com cinco temporadas.

“O QAnon realmente começou a se intensificar quando o filme estava sendo filmado”, diz Mike Rothschild, autor de um livro de história do QAnon, “The Storm Is Upon Us”. “Caviezel teve seu despertar QAnon nos últimos anos, acredito que parcialmente por causa do filme.”

Devido à greve da SAG-AFTRA, Caviezel não estava disponível para comentar. Mas a cobertura de notícias de suas declarações nos últimos anos sugere que ele compartilha a crença infundada do QAnon de que pessoas ricas e famosas colhem sangue de crianças sequestradas em busca de uma substância chamada adrenocromo. De acordo com o Daily Beast, Caviezel participou de uma conferência conservadora em 2021 na qual discutiu sua experiência filmando “Sound of Freedom” e afirmou que Ballard lhe falou sobre o papel dos traficantes de crianças na colheita dessa substância.

Nenhuma dessas alegações aparece em “Sound of Freedom” em si. Da mesma forma, nenhuma outra teoria conspiratória ou política evidente está presente no filme. Pessoas como Merlan, Marchman e Rothschild chamam o filme de razoável, até mesmo agradável às vezes. Mas a combinação do repentino interesse do QAnon pelo tráfico infantil e as declarações de Caviezel lançaram uma sombra sobre a obra muito antes de ela encontrar um novo distribuidor.

Leia Agora  Aquaman | Novo pôster oficial da DC revela visual do herói

Com a missão declarada de “amplificar a luz” e um modelo de negócios baseado em projetos financiados por crowdfunding, a Angel Studios pode parecer uma escolha improvável para um filme sobre algo tão obscuro e desesperador quanto a exploração sexual de crianças. Mas, de acordo com o CEO Neal Harmon, é uma combinação natural. “Sound of Freedom é, antes de mais nada, uma emocionante história de heróis que o mantém na beira da cadeira”, diz ele à Vanity Fair. “Quando você sai, sai com esperança.”

Harmon não é apenas um distribuidor de filmes. Junto com seus irmãos – que também são executivos da Angel – ele dirige uma agência de publicidade e marketing chamada Harmon Brothers, que promoveu marcas como o spray para odor de banheiros Poo-Pourri e o banquinho para auxiliar a defecação Squatty Potty. Ele também é cofundador da VidAngel, uma empresa que travou uma longa batalha legal com a Disney e a Warner Brothers sobre a prática de remover “conteúdo objetável” dos programas de TV e filmes desses estúdios e, em seguida, transmitir as propriedades alteradas para os clientes da VidAngel. (Um acordo foi alcançado em que a VidAngel concordou em pagar $9,9 milhões aos estúdios.)

De acordo com Harmon, não há muita diferença entre vender um produto físico como o Squatty Potty e “vender assentos para um filme”. Essa estratégia de venda de assentos é talvez um dos elementos mais controversos de “Sound of Freedom”. Após a Angel adquirir os direitos de distribuição do filme, a empresa adicionou uma chamada para ação aos créditos. Ela incentiva os espectadores a ajudar a “aumentar a conscientização” sobre o tráfico infantil – mas em vez de doar para grupos anti-tráfico ou até mesmo diretamente para os esforços de Ballard, os espectadores são solicitados a “pagar adiantado” comprando ingressos adicionais para o filme. “Não temos dinheiro de grandes estúdios para divulgar este filme, mas temos você”, diz Caviezel, fora de seu personagem, antes de um código QR aparecer na tela.

Harmon se recusou a compartilhar quanto dinheiro “Sound of Freedom” arrecadou com os ingressos vendidos e quanto veio da receita do “pagamento adiantado” (que é rastreado por uma plataforma de vendas separada), mas até o momento, “Sound of Freedom” já arrecadou mais de $100 milhões – muito além de todas as expectativas. E em vez de diminuir com o tempo, os lucros do filme continuam crescendo semana após semana, confirmaram de forma independente Harmon e Monteverde.

Esse nível de sucesso frustra o sobrevivente de tráfico Jose Alfaro. Ele não viu o filme, mas conhece Ballard e a OUR. Ele me diz que narrativas como a de “Sound of Freedom”, que retratam o tráfico como resultado de sequestros que enviam as vítimas para outros países, “não representam realmente como esse crime realmente acontece com mais frequência”. Merlan concorda, dizendo que o filme contribui para a falsa percepção de que “o problema do tráfico é melhor abordado arrombando portas e tirando crianças à força”.

Surpreendentemente, até mesmo a OUR admite esse ponto. O grupo escreve em seu próprio site que “embora esse tipo de tráfico humano exista, não é a maioria”, e que “a maioria do tráfico acontece por meio de um processo manipulador de aliciamento”, não por meio dos cenários de sequestro retratados no filme.

Embora a OUR promova “Sound of Freedom” em seu site, a organização fundada por Ballard não é mencionada em absoluto no filme. Em vez disso, o filme retrata Ballard como praticamente um exército de um homem só. Na verdade, a OUR disse à Vice que Ballard “deixou a OUR antes do lançamento do filme”, embora ele ainda estivesse na organização em maio deste ano, quando o promotor do condado de Davis, Troy Rawlings, encerrou uma investigação de longa data sobre a organização. Nas redes sociais, Rawlings havia alertado as pessoas a não doarem para organizações que reivindicam crédito por casos de proteção infantil resolvidos pela força-tarefa do condado de Davis, em Utah. (Quando contatado por telefone, Rawlings se recusou a comentar oficialmente sobre a investigação de seu escritório. A OUR não respondeu a vários e-mails solicitando comentários.)

Leia Agora  CRÍTICA | O TELEFONE PRETO é sombrio e tenso, mas é terno

Merlan, Marchman e Albright sugerem que, à medida que a promoção do filme ganhou força, a OUR pode ter optado por se distanciar de um fundador que tem se concentrado nos fringes da mídia. Três semanas atrás, o site de direita The Daily Signal postou um vídeo em que Ballard está ao lado de Caviezel; a entrevista é intitulada “Movimento Transgênero e a Política de Fronteira de Biden Ajudam e Abetam a Escravidão Sexual Infantil, Adverte Tim Ballard”. No vídeo, Ballard critica “a agenda esquerdista acordada” e afirma que “pedófilos têm promovido essa agenda por décadas”. Um dia depois que o vídeo foi postado, Ballard apareceu no podcast do fundador da Turning Point USA, Charlie Kirk, para discutir a amplamente desacreditada teoria conspiratória da colheita de órgãos no tráfico infantil.

Mesmo quando Ballard não é central, a promoção do filme adere a linhas políticas muito específicas. Nesta semana, o ex-presidente Donald Trump está realizando uma exibição do filme em seu clube de golfe em Bedminster, Nova Jersey, com a presença de Caviezel, Ballard e o ator Eduardo Verástegui.

Monteverde não estará lá, no entanto. Ele disse à Angel que “não queria participar de nenhum evento ou coisa que pudesse ser política” e que não daria entrevistas sobre o filme “por meio de qualquer veículo associado a apenas um tipo de público”. Quando perguntado sobre as entrevistas que Ballard e Caviezel deram a veículos de direita, ele diz: “Quando vejo algo assim, é muito doloroso”.

Críticas negativas fazem parte do negócio, e Monteverde sabe disso. “Não me importo se as pessoas não gostam do filme; estou completamente bem com isso”, diz ele. “Também não gosto de alguns filmes!” Mas “Sound of Freedom” tem gerado muita retórica carregada, em grande parte graças a outras pessoas associadas ao filme. Em uma aparição na Fox News na semana passada, Ballard afirmou que os veículos de mídia que criticaram o filme ou suas supostas políticas estão tentando “normalizar atividade sexual com crianças” e declarou que “pedófilos estão salivando” por críticas que não são totalmente positivas.

Harmon me fez uma sugestão semelhante, embora de forma mais branda. Ele flutua a ideia de que algumas críticas ao filme podem vir de pessoas que se beneficiam da exploração infantil e “não querem que a opinião pública foque nessa indústria”.

Nem Harmon nem Ballard fizeram muito para desmentir uma das alegações mais difundidas sobre o filme – especificamente, que a Disney tentou “bloquear” seu lançamento, supostamente com propósitos nefastos. Segundo uma verificação de fatos da Newsweek, a Disney afirma que o estúdio nem sabia que “Sound of Freedom” existia quando comprou seu distribuidor anterior e, após a Angel lançar uma campanha de crowdfunding, pôde comprar os direitos do filme.

Ballard especificamente chamou a atenção da Rolling Stone, acusando-a de “interferir em favor de traficantes de seres humanos e pedófilos”. Miles Klee escreveu uma crítica contundente do filme para a publicação.

Klee considerou “Sound of Freedom” “excessivamente longo, mal concebido, geralmente entediante”, ele me diz. Mais importante, ele o viu como “potencialmente uma ferramenta de recrutamento para a extrema direita” – e escreveu isso. Sua matéria foi publicada na sexta-feira e, segundo ele, recebeu algumas críticas online. Ele diz que notou uma resposta especialmente forte de uma certa comunidade online.

Klee compartilha as preocupações de que a venda de ingressos para o filme possa ser um golpe para arrecadar dinheiro de forma contínua para grupos que não têm experiência ou compreensão real do problema do tráfico. Para ele, o filme tem um problema maior: “As pessoas são mais suscetíveis à desinformação quando se trata de algo tão horrível quanto tráfico infantil”, diz ele. “As pessoas querem acreditar que alguém está resolvendo esse problema, mas ninguém está resolvendo. E isso é trágico.”