/CRÍTICA | A Maldição da Chorona (The Curse of La Llorona), 2019

CRÍTICA | A Maldição da Chorona (The Curse of La Llorona), 2019

Compartilhe

Novo longa do universo de Invocação do Mal traz conto de terror mexicano como influência

Chega aos cinemas nesta Quinta (18), o mais novo filme derivado do universo de Invocação do Mal, se trata de “A Maldição da Chorona”, que chega com a produção de James Wan e traz o estreante Michael Chaves como diretor. Mas será que o filme funciona? É o que vamos descobrir.

Baseado na lenda mexicana de “La Llorona”, uma mulher que afogou seus filhos para punir a traição do marido, e arrependida, jogou-se no rio atrás deles chorando em dor. Agora Llorona perambula como uma entidade que ataca crianças, a fim de substituir as dela. O filme traz a jornada de sobrevivência de Anna Tate-Garcia (Linda Cardellini) e seus filhos da maldição da chorona.

O longa é problemático de diversas maneiras. Começando por seu roteiro, que não consegue criar uma atmosfera de terror, e já parte para a exposição barata nos primeiros dez minutos. Há inserção de personagens sem função nenhuma narrativamente, diálogos fracos e expositivos, o filme faz questão de querer detalhar tudo para o espectador, mesmo sem ter nenhuma profundidade, também temos protagonistas sem nenhum tipo de desenvolvimento e que não conseguem cativar o público e deixam as coisas bem frias para quem assiste.

Além disso, vemos aqui todos os clichês possíveis de filme de terror barato, como as luzes piscando, a falta de inteligência dos personagens, jump scares, e narrativa progressiva de periculosidade causada pela entidade. O ato final é até empolgante diante de toda a tragédia que foi construída no decorrer do filme inteiro. Também há algumas referências a outras obras, que embora sejam desconexas em sua maioria, trazem uma aproximação maior do espectador do universo aqui explorado.

O elenco é o mais desinteressado possível, Linda Cardellini passa 80% do tempo gritando, Patricia Velásquez é caricata e tem o pior arco do filme. Marisol Ramirez até que faz uma Llorona descente e imponente, mas é constantemente atrapalhada pelo roteiro. Tony Amendola está aqui apenas para explicar o filme e as crianças Jaynee-Lynne Kinchen e Roman Christou não tem carisma algum. Quem ainda trabalha melhor aqui é o Raymond Cruz, que surge no melhor arco do filme para livrar a maldição da casa.

Temos um trabalho de câmeras até decente aqui, o uso de cores e planos detalhes são bons, apesar da clara limitação de orçamento. O filme também tem uma boa montagem, mas isso não consegue levantar o filme pois são acompanhados de uma trilha sonora genérica e invasiva. Michael Chaves mandou muito mal nesse primeiro longa e me preocupa o futuro de Invocação do Mal, pois ele está escalado para dirigir o terceiro filme da franquia.

A Maldição da Chorona é um filme que abusa de todos os clichês do gênero para nos contar uma história sem identidade, e sem conseguir ao menos assustar. É um dos piores filmes do universo derivado que é cheio de altos e baixos, e que nos deixa com um pé atrás para o restante da franquia.


Compartilhe

23 anos, estudante de Jornalismo, apaixonado por cinema, séries e esportes