Pular para o conteúdo

“Diversão retro de terror com David Dastmalchian em Late Night with the Devil”

"Diversão retro de terror com David Dastmalchian em Late Night with the Devil"
Avalie este artigo

Late Night With the Devil: David Dastmalchian estrela um divertido filme de terror retrô

David Dastmalchian sempre foi um dos nossos “lil’ freaks” favoritos nos filmes, e mesmo sendo o primeiro nome nos créditos de Late Night with the Devil, ele não perdeu sua magia como intérprete. Encarnando filmes como o clássico Ghostwatch e o recente sucesso cult WNUF Halloween Special, Late Night with the Devil mostra a transmissão centrada no Halloween do apresentador de talk show Jack Delroy (Dastmalchian), que está desesperado para alcançar a fama. Anteriormente o protagonista de uma ascensão meteórica na cena noturna, o filme se apresenta como sendo a fita master daquela transmissão específica, na qual Delroy traz não apenas uma médium e um cético para o programa, mas também uma psicóloga e as jovens mulheres com quem ela trabalha, que afirmam estar possuídas por uma entidade demoníaca. Uma introdução bastante explícita ao filme apresenta tudo isso de maneira concisa, e ajuda que Michael Ironside seja a voz que fornece todas as informações, pois seus talentos ajudam a suavizar algumas partes mais pesadas.

A força na narrativa de Late Night with the Devil é que a estrutura da transmissão/roteiro brinca com o sobrenatural, ao mesmo tempo em que o retrata como algo crível. De certa forma, o filme deixa para o espectador decidir o que está acontecendo, até que, como era de se esperar, ele se entrega totalmente ao terror. Contando com um elenco reduzido, Late Night with the Devil é uma obra em conjunto, pois transita entre o suposto sobrenatural, o membro do programa que está disposto a desacreditá-lo, e o apresentador Dastmalchian, que está fazendo o seu melhor para subir na hierarquia da TV e fazer com que todas essas peças funcionem a seu favor.

Leia Agora  Evolução emocionante dos EPs de Ghosts: Reolvendo suspense importante!

Delroy, interpretado por Dastmalchian, encarna as melhores partes dos apresentadores de comédia noturna, como Conan O’Brien, mantendo uma quantidade divertida de autodepreciação, mas também permanecendo imprevisível. O papel prova que Dastmalchian pode continuar praticando seu charme de ator característico, mesmo ancorando toda a narrativa como protagonista. Ele é engraçado e tem carisma, mas também sabe exatamente quando mostrar seu talento dramático. É uma ótima performance de alguém que estamos acostumados a ver em pequenas doses, e desta vez ele nos dá uma refeição, como um homem que se sente vivo e complexo.

Outros destaques ao lado de Dastmalchian são Ian Bliss como Carmichael, o Encantador, um hipnotizador que se tornou cético e tem uma resposta para cada truque exibido, e Ingrid Torelli como Lilly, a jovem que pode ou não estar possuída por um demônio. Bliss encontra um ponto de equilíbrio singular que complementa Dastmalchian, pois consegue manter a audiência questionando o que está realmente acontecendo; enquanto Torelli navega por mares turbulentos ao interpretar uma jovem forçada a agir de maneira demoníaca. É fácil exagerar ao explorar esse tema, mas Torelli consegue transmitir olhares e movimentos distintos ao interpretar suas duas faces.

Se há um elemento onde Late Night with the Devil falha (além do uso infeliz da inteligência artificial para gráficos de vídeo que certamente poderiam ter sido feitos por um artista humano), é nos intervalos encontrados durante os “intervalos comerciais” da fita master. Um problema frequente em filmes de found footage desse tipo é o motivo pelo qual a câmera está ligada e gravando, e é quase impossível não levar isso em consideração quando esses momentos ocorrem. Alguns momentos importantes acontecem nessas partes, então elas não são totalmente sem mérito ou impulso narrativo, mas elas nos tiram de toda a experiência, que é em sua maioria fluida, tornando essas cenas ainda mais peculiares.

Leia Agora  Os Heróis Improváveis de Hollywood em 2023 - Pedro Pascal, Sydney Sweeney, Paul Mescal e muito mais.

Uma coisa é certa, como outros poucos filmes de terror com temática de “transmissão”, Late Night with the Devil recompensa sua revisão. Depois de assistir ao filme, revê-lo só irá aprimorar a experiência, confirmando que a maioria das peças se encaixou onde estão por algum motivo, e que certas imagens são mais recorrentes do que você percebeu, impregnando todo o DNA da obra. Assim como em Twin Peaks, as corujas não são o que parecem.

Os fãs de terror encontrarão uma estrutura familiar no cerne de Late Night with the Devil, mas é a execução que mantém o filme envolvente e, na maior parte, interessante. Embora alguns momentos quebrem a ilusão maior, a maioria do filme possui uma estética e produção específicas que o fazem parecer real. Quando necessário, Late Night with the Devil encontra um equilíbrio entre efeitos práticos retrô e algum CGI moderno, devidamente filtrado para se adequar à época, e tudo isso trabalha em conjunto para oferecer aos espectadores algo que parece fresco e único.

Nota: 3,5 de 5

Late Night with the Devil está agora nos cinemas.