/CRÍTICA – Mamma Mia 2: “Você pode dançar, você pode se esbaldar, aproveitando o melhor momento de sua vida”

CRÍTICA – Mamma Mia 2: “Você pode dançar, você pode se esbaldar, aproveitando o melhor momento de sua vida”

Compartilhe

Quantas estrelas merece esse texto?

Esse trecho de Dancing Queen resume bem o que é Mamma Mia 2: Lá vamos nós de novo. Mas para falar sobre esse filme, tive que pensar bastante. Pois comparo ele a comer peixe, para aproveitar a carne, é necessário tirar as espinhas antes.

Em 2008, dirigido por Phyllida Lloyd, o primeiro filme estreava com um elenco que chamava a atenção, formado por nomes como Meryl Streep, Amanda Seyfried, Pierce Brosnan, Colin Firth Stellan Skarsgård. 

O primeiro longa pode até estranhar um pouco. Além de ser uma história meio louca, da menina que vai se casar, não sabe quem é seu pai e no final, termina com três pais, embalada por músicas e danças.

Passado 10 anos, dirigido por Ol Parker, a continuação tem a mesma vibe, que pode causar certa estranheza. E outra, continua sendo um musical, daqueles que um casal tá conversando no restaurante e de uma hora para outra, todo mundo começa a dançar, cantar e dar piruetas. Tem gente que não gosta desse tipo de filme.

Porém, Mamma Mia 2 tem aspectos que nos diverte e toca nas nossas emoções. Primeiro, as músicas do ABBA. Há músicas que são repetecos do primeiro, mas há músicas novas também, tais como When I Kissed the Teacher e Andante, Andante. Ver e ouvir clássicos como Dancing Queen, Warteloo e Mamma Mia, é muito contagiante.

Além disso, existe duas linhas de narrativa. A primeira é da Sophie (Amanda Seyfried), que agora tem que cuidar do hotel, após o falecimento da sua mãe. E a segunda é a história da Donna Sherydan mais jovem, interpretada por Lily James (talvez você tenha a visto em O Destino de Uma Nação e Em Ritmo de Fuga).

Isso faz com que o longa ganhe aspectos interessantes, tais como o paralelo criado entre o arco da mãe no passado com o da filha no presente. Além de ser tão divertido ver os personagens do primeiro filme, agora mais novos. E como conseguiram fazer algo para cima, alto astral, apaixonante, você se sente bem ao término. Isso são pontos positivos para o filme.

Entrando na parte musical, as canções parecem muito com videoclipes, especialmente o da música cantada por Amanda Seyfried e Dominic Cooper. E isso não é ruim, dependendo muito do gosto do telespectador. As coreografias estão legais, entretanto, dá a sensação que o backing vocal sempre está muito alto, não ficando nítido as vozes dos atores.

Em relação ao primeiro, há uma perda com a diminuição da participação da Meryl Streep. Porém, a canção entre a Donna e Sophie, é emocionante. Fora isso tudo, ainda temos a presença da mãe de Donna, Ruby Sheridan, interpretada por ninguém mais, ninguém menos que a diva Cher, que consegue marcar sua presença, apesar do pouco tempo em tela, cantando Fernando.  Inclusive, a cantora irá lançar um álbum com covers do ABBA.

Mamma Mia: Lá vamos nós de novo é empolgante, vibrante, coração e consegue encantar esse lado de Donna quero viver e curtir a vida. Apesar, que a história é básica, sem grandes novidades, mas o resultado final é satisfatório. Vale a pena conferir, a partir de 02 de agosto nos cinemas.


Compartilhe

Professor por profissão, mas estudante da vida. Apaixonado por cinema.