Pular para o conteúdo

Loki 2ª Temporada não planejou ter sons de Pink Floyd

Loki 2ª Temporada não planejou ter sons de Pink Floyd
Avalie este artigo

O som magnífico da Marvel na segunda temporada de Loki adentrou acidentalmente o território de Pink Floyd, com sintetizadores retrô e sons de guitarra marcantes. A música apresentada na segunda temporada de Loki, da Marvel, surpreendeu com uma semelhança não intencional ao estilo marcante da banda Pink Floyd, combinando sintetizadores retrô e sons poderosos de guitarra.

A trilha sonora da série, composta por Natalie Holt, inadvertidamente criou uma atmosfera semelhante ao som icônico da banda britânica. Segundo Holt, que anteriormente já havia trabalhado em comédias e dramas britânicos, ao compor as músicas para Loki, ela desenvolveu uma vibe que se encaixou perfeitamente com a narrativa e a estética retrofuturista da série.

A música resultante chamou a atenção dos fãs, que notaram a semelhança com o estilo de Pink Floyd. A combinação de sintetizadores hipnóticos e riffs de guitarra obscuros transportou os espectadores para uma atmosfera psicodélica, evocando memórias dos clássicos do rock progressivo.

No entanto, a semelhança não foi intencional por parte da equipe de criação. Holt explicou que sua inspiração para a trilha sonora veio de uma admiração pelo trabalho do compositor islandês Jóhann Jóhannsson e do diretor Denis Villeneuve. Ela procurou criar uma música que englobasse o mundo místico e épico de Loki, explorando elementos eletrônicos e orquestrais de forma única.

A equipe de produção abraçou a semelhança, pois isso agregou à estética visual e ao clima atmosférico da série. Os visuais deslumbrantes e as referências visuais retrofuturistas foram acompanhados por uma trilha sonora que evocou uma nostalgia futurística, tornando-se uma combinação perfeita para a história do deus da trapaça.

Leia Agora  Crise em Hollywood afeta empregos de executivos de entretenimento: "Este é um verdadeiro colapso"

No mundo do entretenimento, acidentes como esse podem ocasionalmente criar sinergias inesperadas e contribuir para a experiência do público. A influência inconsciente de Pink Floyd na música de Loki adicionou um elemento adicional de interesse pelos fãs, que se deliciaram com a fusão do universo mitológico do personagem com uma atmosfera musical reminiscente dos anos 70.

No entanto, é importante ressaltar que a música de Loki ainda é única em sua própria essência. A composição de Holt capturou perfeitamente o humor e a natureza complexa do personagem principal, ajudando a criar um ambiente imersivo para a série.

Apesar de não ter sido intencional, a semelhança com Pink Floyd na trilha sonora da segunda temporada de Loki adicionou um toque adicional de charme e fascínio à experiência geral da série. A música, mesmo que acidentalmente, se tornou uma parte essencial do mundo de Loki, transportando os espectadores para um espaço sonoro repleto de mistério e intriga.

Os criadores e compositores da série estão, sem dúvida, satisfeitos com a recepção positiva à trilha sonora de Loki e sua conexão acidental com Pink Floyd. A música se tornou um elemento distintivo da série, contribuindo para a sua identidade e atraindo ainda mais fãs para o universo do Deus da Trapaça.

No fim das contas, a música de Loki é um exemplo de como uma criação artística pode aleatoriamente encontrar referências a outras obras já consagradas no universo cultural. O acidente musical se tornou uma adição inesperada e bem-vinda ao legado de Loki, mostrando que até mesmo os deuses podem ter uma influência surpreendente na composição musical.