/CRÍTICA | ‘Não se aceitam devoluções’ mostra Leandro Hassum como nunca visto antes

CRÍTICA | ‘Não se aceitam devoluções’ mostra Leandro Hassum como nunca visto antes

Compartilhe

Quantas estrelas merece esse texto?

Estreando dia 31 de maio nos cinemas, “Não se aceitam devoluções” é uma versão brasileira do filme mexicano ‘No se aceptan devoluciones’, que fez muito sucesso em 2013 especialmente nos Estados Unidos. Estrelado por Leandro Hassum e Laura Ramos, a obra traz um humor bastante diferente dos já trabalhamos pelo ator anteriormente e desfila entre momentos de risos e lágrimas de maneira precisa e simples.

O filme conta a história de Juca Valente, um dono de um quiosque que gosta muito de mulher e pouco de responsabilidade. A vida do personagem, interpretado por Leandro Hassum, muda totalmente quando uma de suas ex-namoradas aparece com uma bebê que alega ser dele e desaparece, fazendo com que o personagem tenha que encarar seus medos para consertar a situação. No meio do caminho, ele percebe que gosta de ser pai e dos caminhos que sua vida tomou pelo aparecimento da criança e tem que passar por várias situações inusitadas quando obstáculos começam a aparecer por causa disso.

Os primeiros minutos mostram um enredo humorístico que se inicia parecendo caricato e cansativo, mas isso é deixado um pouco de lado quando a história fica mais séria. Ver Leandro Hassum por muitos minutos sem fazer qualquer piada e fazendo muito bem seu papel de pai foi surpreendentemente bom, assim como vê-lo fazer tais piadas apenas nos momentos certos, mostrando que ele ainda faz seu humor típico quando convém.

Quando o filme explora esse lado mais familiar da história, mostra uma atuação e um drama sensível para quem gosta de filme com a temática família. A atriz mirim escolhida para o papel de filha teve uma química ótima com os protagonistas, o que faz você abraçar ainda melhor a ideia de Leandro Hassum como um pai responsável. A fotografia do filme não é cansativa e é interessante ver outras imagens captadas de Los Angeles para além dos coqueiros que sempre são mostrados na maioria dos filmes.

Infelizmente, a obra de André Moraes abusa ainda em alguns momentos de situações caricatas, como a cena da piscina, mas não é nada que estrague a experiência com o filme ou mesmo que deixe de emocionar pelo plot twist final. Para aqueles que gostam de humor ou querem apenas apreciar um filme que fala sobre amor fraterno e tempo, é uma ótima opção de filme.


Compartilhe