/Chernobyl | Um retrato da ignorância humana

Chernobyl | Um retrato da ignorância humana

Compartilhe

Chernobyl | Um retrato da ignorância humana
5 (100%) 3 votes

Baseado em fatos reais, essa incrível minissérie em 5 episódios destrincha um evento catastrófico ocorrido no dia 26 de Abril de 1986 na Ucrânia, quando esse país ainda pertencia a União Soviética. O acidente poderia acarretar em uma Europa praticamente dizimada se o ato heroico e mortal de alguns não ocorresse nos momentos subsequentes a explosão do reator 4 da usina de Chernobyl, e por fim revela-se a faceta mais mortal do ser humano.

Criada por Craig Mazin, roteirista que produziu coisas bastante questionáveis no cinema, essa produção revela o talento gigantesco que ele possui, uma aula completa de puro entretenimento que provém de um roteiro brilhante. Com uma reconstituição fiel aos fatos e uma ambientação perfeita, ele entrega o que é a melhor produção televisa de 2019. O elenco capitaneado por Jared Harris, Stellan Skarsgard e Emily Watson é a cereja desse bolo tóxico, que apresenta o pavor completo da radiação e da exposição que o poder e a mentira podem fazer, destruindo por inteiro o meio ambiente e nele arrasar a vida das pessoas comuns.

A constatação que se tem ao longo dos episódios, é que fica nítido quando o poder se faz consumir no seio de alguns personagens, a falsa liderança que um homem ou mulher pode exercer sobre subordinados, e que o preço a se pagar merece recair em quem realizou as ações erradas e não em quem as ordenou de imediato e assim caiam em total esquecimento, para não serem admitidas apenas por ser verdade, e temos em fim a cronologia de decisões erráticas que foram ocultadas em um acumulo de mentiras.

Hoje sem nenhum vivente no que é uma zona de exclusão, é possível sentir o terror daquele ambiente durante cada min da minissérie por ver o que aquele local era, como foi possível alguns não terem a noção completa da catástrofe iminente em nome de um barateamento da construção que se soma a pouco conhecimento da energia nuclear, as doenças que mataram em semanas, e anos após o corrido ainda ter sinais do triste fim que levou milhares de pessoas contaminadas, como também animais sacrificados.

Chernobyl não nos poupa em imagens e diálogos do quão forte pode ser a destruição causada pelo homem e o que ela pode levar, o abandono que o mesmo pode ter em si com relação aos outros, ainda que exista remorso ou compaixão para que se recupere a confiança no ser humano, só quando o mal completo se realiza é que existe a possibilidade de recomeço, e isso continua a se repetir até hoje.


Compartilhe

Fã incondicional do cinema. Jornalista em formação.