Pular para o conteúdo

As Versões de ‘Nasce uma Estrela’, Classificadas

As Versões de 'Nasce uma Estrela', Classificadas
Avalie este artigo

Cada versão de ‘Nasce uma Estrela’, classificada

Se há uma história cinematográfica que pode ser declarada verdadeiramente atemporal e amada por todas as gerações, essa história certamente é a apresentada nos diferentes filmes de ‘Nasce uma Estrela’. Essa trágica história de amor, que aborda o preço da fama, o fascínio pelo showbusiness e o ciúme que pode surgir ao trabalhar em indústrias criativas altamente competitivas, foi contada quatro vezes desde 1937, com a versão mais recente sendo lançada em 2018. Em média, parece que a cada 20 anos nasce uma estrela, e até mesmo dessa frequência surgiram filmes interessantes e aclamados. Talvez, no futuro, lá pelos anos 2030 ou 2040, o público possa ter o prazer de assistir a uma quinta versão dessa história.

A primeira versão de ‘Nasce uma Estrela’ foi lançada em 1937 e, desde então, foram feitas mais três adaptações. Mas afinal, qual das quatro versões é a melhor?

A primeira versão, lançada em 1937, foi dirigida por William A. Wellman e estrelada por Janet Gaynor e Fredric March. Ambientada no universo do cinema, a história acompanha uma jovem aspirante a atriz que se apaixona por um famoso ator em decadência. A química entre os protagonistas é palpável e a atuação de Gaynor e March é elogiada até hoje. A versão de 1937 é considerada um clássico, mas talvez não tenha o mesmo apelo para o público atual, que pode se sentir distante da época retratada.

A segunda versão de ‘Nasce uma Estrela’ foi lançada em 1954 e trouxe Judy Garland e James Mason nos papéis principais. Dessa vez, a trama se passa nos bastidores da indústria musical e acompanha uma jovem talentosa que ganha a atenção de um cantor famoso e autodestrutivo. Garland entrega uma performance emocionante e sua interpretação marcante da música “The Man That Got Away” é um dos destaques do filme. A química entre Garland e Mason é palpável e a direção de George Cukor é admirável. Essa versão é frequentemente considerada a favorita de muitos fãs de cinema.

Leia Agora  Rosa Salazar estrela ao lado de Mark Wahlberg em "Jogada Suja", da Amazon MGM.

A terceira versão de ‘Nasce uma Estrela’ foi lançada em 1976 e trouxe Barbra Streisand e Kris Kristofferson nos papéis principais. Dessa vez, a história se passa no universo do rock e acompanha uma jovem cantora que é descoberta por um cantor consagrado, mas o relacionamento deles é prejudicado pelo vício em drogas e pelo ciúme. Streisand brilha em seu papel e sua poderosa voz encanta o público. A química entre ela e Kristofferson também é notável, mas alguns críticos consideram que a narrativa foi um pouco enfraquecida nessa versão.

Por fim, a quarta e mais recente versão de ‘Nasce uma Estrela’ foi lançada em 2018 e trouxe Lady Gaga e Bradley Cooper nos papéis principais. Cooper também dirigiu o filme, marcando sua estreia como diretor. A trama se passa no mundo da música pop e acompanha uma jovem talentosa que é descoberta por um cantor veterano lutando contra seus próprios demônios. A química entre Gaga e Cooper é surpreendente e ambos entregam atuações brilhantes. A trilha sonora original, especialmente a música “Shallow”, ganhou muitos prêmios e se tornou um sucesso mundial. Essa versão foi amplamente elogiada pela crítica e pelo público, sendo considerada por muitos como a melhor e mais emocionante adaptação de todas.

No fim das contas, a escolha da melhor versão de ‘Nasce uma Estrela’ é uma questão de preferência pessoal. Cada adaptação trouxe sua própria singularidade e encantou diferentes públicos ao longo dos anos. No entanto, a versão de 2018, dirigida e estrelada por Bradley Cooper e Lady Gaga, conquistou tanto o coração dos críticos quanto do público e se destaca como uma poderosa e emocionante obra-prima. Independentemente da versão, a história de ‘Nasce uma Estrela’ continua a cativar e emocionar as plateias, perpetuando-se como um clássico do cinema.

Leia Agora  Encontro de Cidades Fantasmas e Um Monstro Chama em Sessão Terapêutica de John Krasinski: uma junção cativante e caótica